Saiba tudo sobre a escrita, algo que fez a humanidade evoluir

A história da escrita é quase tão antiga quanto a história da humanidade: em 4000 A.C, já existia escrita na mesopotâmia.

A Mesopotâmia é a região entre os rios Tigre e Eufrates, onde hoje é o Iraque e foi a região onde a humanidade começou a se desenvolver: foi a região onde surgiu a primeira cidade, onde os primeiros reinos se desenvolveram e onde a escrita começou.

Na verdade, a história é dividida em relação á escrita: quando se fala pré-história, quer dizer antes do surgimento da escrita. A forma mais antiga de escrita é a escrota dos sumérios, chamada escrita cuneiforme.

Escrita cuneiforme encontrada na Turquia

Proto-escrita

Há indícios de comunicação escrita ainda no período neolítico. Os estudiosos chamam essa escrita e proto-escrita: ainda não é uma escrita plenamente desenvolvida porque usa símbolos para representar um conjunto limitado de ideias e pensamentos, parecia um jogo de quebra cabeças.

Escrita neolítica encontrada na China

Na China foram encontrados símbolos gravados em cascos de tartarugas que datam de 7000 A.C.! Também datados de 7000 A.C foram encontrados registros de escrita na Sérvia, no continente europeu, os chamados símbolos de Vinca por perecerem ao antigo povo Vinca.

Entre 4000 e 3000 A.C que a proto-escrita se desenvolveu até se transformar nos primeiros sistemas escritos completos: a escrita da mesopotâmia e a escrita egípcia.

O chamado tablete (pequena estrutura em forma de quadrado e feita de argila onde eram gravados os símbolos) é datada de 3.500 A.C e mostra uma versão primitiva da escrita cuneiforme. As primeiras escrituras foram de caráter comercial, registrando números e, mais tarde um pequeno desenho que dizia o que estava sendo contado.

Mesopotâmia e Egito

O nome Escrita Cuneiforme vem do instrumento em forma de cunha que resultou nos sumérios utilizando para gravar o texto em tabletes de argila.

Alguns estudiosos acreditam que a escrita no Egito surgiu um pouco depois da escrita cuneiforme e que a escrita cuneiforme influenciou a escrita do Egito.

A escrita egípcia ganhou o nome de hieróglifos dado pelos arqueólogos modernos. A palavra vem do grego e significa “símbolo sagrado”.

Escrita encontrada em tumba egípcia.

A escrita tanto entre os sumérios quanto entre os egípcios permitiu guardar o conhecimento de forma mais segura que a transmissão oral, desenvolver o comércio através de escrita comercial, e desenvolver o texto de ficção.

Sem falar que várias obras destas civilizações só chegaram até nós através da escrita.

Alfabeto Fenício

O alfabeto fenício é o mais antigo alfabeto, isto é, aquele em que casa símbolo representa um som. O alfabeto era composto de 22 letras e não tinha vogais.

A importância do alfabeto fenício está no fato de que o alfabeto deu origem a vários outros, inclusive ao que usamos atualmente.

Alfabeto fenício

Pela facilidade do alfabeto fenício, em que cada símbolo representava um som, o alfabeto podia ser adaptado para várias línguas e também permitiu que mais pessoas fossem alfabetizadas.

Os alfabetos mostravam as diferenças de classes: os nobres ainda usavam a escrita cuneiforme.

O Alfabeto Latino

O alfabeto latino é o alfabeto que nós usamos atualmente. Ele é usado nas línguas que vêm do latim, como no português e no francês, além de ser usado em línguas germânicas como o inglês e o alemão. O alfabeto latino veio de uma versão do alfabeto grego que, por sua vez, veio do alfabeto fenício.

Uma das formas mais antigas de alfabeto latino.

 

Os romanos, que falavam latim, utilizaram o alfabeto grego tal como era utilizado em uma colônia grega no sul da Itália.

Quando os romanos conquistaram a Grécia, no século 1 depois de Cristo, a forma clássica do alfabeto latino foi criada coma introdução das letras Y e Z.

Posteriormente, na Idade Média, o alfabeto latino se espalhou coma difusão do cristianismo.

Idade Média

Durante o império romano, o alfabeto latino, usado para escrever em latim foi se espalhando pela Europa.

Mais tarde, durante a Idade Média, o avanço do cristianismo fez com que falantes de línguas celtas, na atual Inglaterra, e falantes de línguas eslavas, no leste da Europa, passassem a usar o alfabeto latino.

Escrita em latim medieval

O alfabeto latino foi sendo usado por todos os países que seguiam a Igreja Católica Apostólica Romana. Países do leste europeu, ao seguirem a Igreja Ortodoxa, mantiveram o alfabeto cirílico.

No entanto, após a queda da União Soviética, vários países decidiram usar o alfabeto latino a partir dos anos 90.

E desde a idade média até hoje, no século XIX, o alfabeto latino tem se espalhado em 2015, o governo do Cazaquistão decidiu que gradativamente, o país vai adotar o alfabeto latino. A mesma coisa com o Turcomenistão que, em 2003, decidiu que também passará a usar o alfabeto latino.

Progresso e escrita

A escrita favorece o progresso, de maneira mais importante, ao permitir que se tenha um registro de atividades, de cultura: assim aperfeiçoar qualquer ponto da cultura se torna mais fácil se guiado por escrito.

A escrita também permite um desenvolvimento das ciências humanas: é possível sistematizar filosofia, ou deixar uma poesia para as próximas gerações.
Mesmo que haja sociedades como os maias, que prosperaram com ausência de escrita, a escrita ainda contribui para formar uma cultura, para dar um senso de união ao povo através do compartilhamento de textos.

Talvez a maior contribuição da escrita seja criar uma coletividade forte que aja coletivamente em prol da sociedade.

Como é o trabalho de um escritor?

Você considera escrever um trabalho ou um hobby? Algumas pessoas escrevem por anos em blogs e páginas da internet por anos até serem reconhecidas, publicarem e poderem ganhar algum dinheiro com a escrita.

Mas além do dinheiro, temos que levar em conta que escrever sempre é um trabalho duro: é exaustivo, algumas pessoas abrem mão dos momentos de lazer para escrever, não dá para falar que escrever é um hobby leve que descansa a mente.

Blogar diariamente até ser reconhecido pode ser um trabalho pesado.

Escrever com certeza não é um hobby, e mesmo que você não seja pago é um trabalho. Um trabalho que exige bastante de quem escreve. Confira alguns fatos e dicas sobre o trabalho de um escritor!

O Sistema de Trabalho 

Todo escritor famoso tem um sistema de trabalho. E é esse sistema que faz com que escritores continuem trabalhando e escrevendo mesmo nos dias em que a criatividade anda em baixa.

O autor Stephen King, por exemplo, que publicou mais de 20 livros, tem o compromisso consigo mesmo de escrever 2.000 palavras, faça chuva ou faça sol, como forma de ter uma rotina de trabalho.

Stephen King

Se você conseguir montar seu próprio sistema de trabalho, garantimos que sua escrita vai ser mais produtiva, mesmo nos dias em que sua criatividade não estiver no melhor.

 A primeira coisa que você deve fazer é procurar material para inspirar a sua escrita: notícias de jornais, fóruns da internet ou até mesmo algo que aconteceu com você.

Daí é só guardar o que te inspira, seja fazendo um diário, seja organizando como arquivos no seu computador.

Agora vem o passo 2: escrever.

Você pode estabelecer um limite mínimo de páginas ou de palavras e estabelecer uma hora de começar a trabalhar e uma hora para terminar.

E se mantenha com uma escrita afiada: leia outros autores, leia livros sobre como escrever bem, analise textos que você eventualmente leria para entender o que falta na sua própria escrita.

Estabelecendo uma rotina para escrever

Todo escritor famoso tem uma rotina diária que segue com o seu trabalho. Você pode se inspirar e reservar um período do seu dia para escrever, com um horário pré-determinado para escrever, almoçar ou mesmo descansar.

Segundo o escritor japonês Haruki Murakami, estabelecer uma rotina e repeti-la todo dia funciona quase como uma hipnose mental e ajuda a destravar a criatividade.

Capa do livro 1Q84 de Haraki Marakami, que foi best seller em vários países, inclusive no Brasil.

Você pode estabelecer sua própria rotina, e aqui vão algumas dicas para ajudar:

  1. Estabeleça objetivos e construa sua rotina de modo a alcançar esses objetivos;
  2. Sempre considero a hora de escrever a sua prioridade;
  3. Tente descobrir em que hora do dia é mais fácil para você se concentrar ou ser criativo;
  4. Tenha um espaço na sua casa que você usa exclusivamente para escrever;
  5. Tente diferentes métodos de escrita para descobrir qual mais combina com você
  6. Escrever 30 minutos sem pausa e sem parar e depois editar o texto.
  7. A técnica pomodoro: coloque um despertador para tocar dali a 25 minutos, trabalhe nesses 20 minutos e descanse 30.

Técnicas de escrita 

É sempre bom reservar parte do seu dia para estudar técnicas que podem tomar a sua escrita melhor e mais criativa. Escrever não é somente talento, mas dominar uma série de regras pode ajudar o aspirante a escritor.

Confira algumas dicas e sempre tente colocar em prática!

  • Quando estiver escrevendo uma descrição, tente incorporar todos os sentidos: descreva cheiro, cor, textura. Torna a descrição real para o leitor.
  • Crie personagens complexos: dessa forma, o leitor vai se engajar na leitura, simpatizando ou antipatizando com o personagem.

Harry Potter: personagem que fez milhões de pessoas se emocionarem

  • Tente trazer emoções a tona: sempre se pergunte que emoção o trecho que você está escrevendo provoca no leitor
  • Faça com que cada personagem tenha uma maneira única de se expressar: faz seu personagem se tornar próximo da vida real.
  • Tente escrever cenas de ação empolgantes, para que o leitor se sinta dentro da cena.

Você vai gostar de ler: A Beleza da mulher já foi escrita

Quando você odeia sua própria escrita 

É muito comum que escritores iniciantes – e, ás vezes, até escritores profissionais – odeiem a própria escrita. Considerem o próprio trabalho fraco e sem criatividade.

Há algumas razões em porque isso acontece: quando você se propõe a ser um escritor, você tem bom gosto – como todo mundo que faz trabalho criativo e você reconhece que está no início de carreira, e que há muito espaço para desenvolver sua escrita.

Você não é ainda um escritor estabelecido, mas tem bom gosto suficiente para saber que seu texto ainda não está no ponto certo.

Se você for paciente e trabalhar na sua escrita, com tempo esse descompasso entre o seu bom gosto e a sua escrita vai acabar e você vai ser capaz de olhar seu texto com olhos mais favoráveis.

As vezes pode acontecer de um escritor já com experiência odiar a própria escrita: isso também acontece pela diferença entre o bom gosto do escritor e o que ele está escrevendo, principalmente se for um texto longo, tipo um romance, que passou por várias revisões.

Mas o segredo, em qualquer situação, seja um autor iniciante ou um autor já experiente, é sempre continuar escrevendo.

Odiar o próprio trabalho ás vezes é sintoma de uma baixa autoestima, e basta melhorar o astral que as dúvidas sobre sua própria escrita acabam.